terça-feira, 22 de dezembro de 2015

First step guidance for active participation in the changing process of the extractive industry





*Our thanks to Luiza Stein da Silva for the design and editing.

** Links:

Social Accountability E-Guide: https://saeguide.worldbank.org/
EITI Project: https://eiti.org/
How countries can implement the EITI Standard: https://eiti.org/eiti/implementation
Validation: Assessing impact: http://progrep.eiti.org/2015/glance/validation
The EITI Standard: https://eiti.org/document/standard

Transparency & Accountability Initiative:

Natural resource Charter: http://naturalresourcecharter.org/
Model Mining Development Agreement: http://www.mmdaproject.org/

Our Money, Our Responsibility: A Citizens’ Guide to Monitoring Government Expenditures: http://internationalbudget.org/publications/our-money-our-responsibility-a-citizens-guide-to-monitoring-government-expenditures/

Public sector innovation through collaboration: opportunity for PhD Candidates

For the inter-university research project ‘Public sector innovation through collaboration (PSI-CO)’ we are looking for

Three PhD candidates
for research into
Public Sector Innovation through Collaboration

Confronted with major budgetary pressures and grand societal challenges, governments increasingly engage and set-up collaborative interaction within and across governmental levels and with societal actors. These cooperation forms are used to stimulate innovation in policy and service delivery, which in turn can be viewed as a means to deal with the budgetary pressures and social challenges.

The interuniversity consortium ‘Public Sector Innovation through Collaboration’ (2016-2020), coordinated by Professor Koen Verhoest (UAntwerpen) consists of four Belgian universities and one Dutch university and is funded by the BRAIN program. The partners will work together and study how specific collaborative arrangements can lead to innovation and how the Belgian federal government and other governments can support and enhance these collaborations. Both Belgian and foreign collaborative practices in different policy domains will be investigated, using case studies, surveys and action research (Living Labs methodology). The research aims to generate both fundamental/scientific insights (PhDs and publications) and policy-oriented insights (recommendations for Belgian federal government and/or other governments).

Within the PSI-CO interuniversity consortium we have three vacancies for doctoral researchers (PhD scholarships):
  •       The research group ‘Public Administration & Management’ (Prof. dr. Koen Verhoest – University of Antwerp, Department of Political Sciences) is looking for a doctoral researcher to analyse how collaboration by public organizations within and across governmental levels can lead to innovations in policy and service delivery, and how a government can facilitate, govern and improve such collaborative arrangements. Link to vacancy – deadline 22 January 2016:
    https://www.uantwerpen.be/nl/jobs/vacatures/ap/2015bapfswef316/
  •       The ‘Public Governance Institute’ (Prof. dr. Trui Steen – KULeuven) is looking for a doctoral researcher to analyse how coproduction with external stakeholders (citizens, non-profit organizations, companies) can lead to innovations in policy and service delivery, and which organizational conditions are crucial for governments to facilitate this. Link to vacancy - deadline 22 January 2016: https://icts.kuleuven.be/apps/jobsite/vacatures/53584419
  •       The research group ‘Centre Montesquieu d’étude de l’action publique’ (Prof.dr. David Aubin - ‘Université catholique de Louvain (UCL), Institut de sciences politiques Louvain-Europe’) is looking for a doctoral researcher to analyse how the individual policy officers and public managers behave and learn in collaborative arrangements, and how their skills and attitudes can stimulate innovation in policy and service delivery in such arrangements. Link to vacancy – deadline 11 January 2016: https://www.uclouvain.be/481550.html

There are two other partners involved in the research. SPIRAL (prof.dr. Cathérine Fallon, Université de Liège, department Political Sciences) will be coordinating the action research through the Living Lab methodology. Erasmus University Rotterdom (prof.dr. Victor Bekkers and Dr. Lars Tummers) will provide an international benchmark of the research findings.

Applications are to be submitted online by 11 January 2016 in  case of the application for the Louvain-La-Neuve position, and by 22 January 2016 in case of the application for the UAntwerpen and KULeuven positions. If desired, candidates are allowed to apply to more than one vacancy. For more information please look at the separate vacancies on the websites of the three universities. Specific application requirements, job descriptions, profile requirements and what we offer can be read here as well. 
Please pay attention to the language requirements: candidates are assumed to have knowledge of Dutch or French (depending on the vacant post they apply for).

Please forward this to any interested potential candidates - also candidates who aim to finalise their master in June-July 2016 might apply.

The research team,
Koen Verhoest, Trui Steen, David Aubin, Cathérine Fallon, Victors Bekkers en Lars Tummers

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Call for papers for the IIAS Study Group on ‘Coproduction of Public Services’



Call for papers for the IIAS Study Group on ‘Coproduction of Public Services’
Tampere, 13-14 June 2016 

The IIAS Study Group on ‘Coproduction of Public Services’ is organizing its fourth open meeting. Our aim is to create and nurture an intellectual platform for the theoretical discussion and empirical analysis of coproduction and its implications for the organization and management of public services.

The Study Group on Coproduction of Public Services
Earlier meetings organized by the study group established a small-scale, active, and sustainable research network of scholars focused on the coproduction of public services. The study group provides a forum to discuss challenging research on innovations in public service delivery that include citizen co-production. The study group has collaborated in the publication of special issues in international public administration journals. The study group aims to further enable close intercontinental collaboration among coproduction scholars, including establishing joint research programs and developing and sharing a database of international case studies and survey data on coproduction. As part of the 2016 study group meeting in Tampere, a roundtable will be organized to discuss collaboration in a new book project on coproduction, edited by Taco Brandsen, Bram Verschuere, and Trui Steen and to be published by Routledge.



Conference Topics
Coproduction refers to the involvement of both citizens and public sector professionals in the delivery of public services. Although countries differ in the extent to which citizens play a role in the provision of public services, the idea of coproduction is gaining ground around the world.

The overarching goal of this meeting of the study group is to advance our conceptual, theoretical, and empirical understanding of coproduction. To that end, we are particularly interested in papers that tackle the complexity of coproduction in terms of frameworks for analysis, applications of relevant theory, and empirical study. Specifically, we are interested in research questions such as:

-          What frameworks are useful for advancing our understanding of coproduction? Frameworks specify general sets of variables (and the relationships among the variables) that are of interest to a researcher. As conceptual constructs, frameworks are particularly useful for identifying the major variables relevant for understanding and analysis. The development of frameworks for coproduction and their usage in empirical research will be critical to developing some continuity in future studies.

-          What theories are relevant for understanding coproduction? Theories provide interpretive structures for frameworks by providing explanations, predictions, or diagnosis about how the variables within a framework interact, fit together, or perform over time. Theories might focus on one area of a framework or address the framework as a whole. Many theories are likely to be applicable to and advance or understanding of coproduction, particularly when combined with models for empirical analysis.

-         What do we know from the empirical study of coproduction of public services? Empirical research using innovative and rigorous qualitative or quantitative methodological approaches are necessary for improving our understanding of coproduction. Thus, the study group invites submissions that investigate numerous research areas and questions, including but not limited to:
o   How does coproduction work in practice?
o   How does coproduction vary across national and policy contexts?
o   How is co-production linked to transformation of public services, for example through governance or ICT?
o   What are the challenges of coproduction for public sector professionals and citizens?
o   What are the outcomes and impacts of coproduction?
While these and other questions can be addressed, we encourage all participants to think critically about how their research advances our conceptual, theoretical, and empirical understanding of coproduction.

The goal of the study group is to advance the theory, research, and practice of coproduction and to foster intercontinental collaboration. Therefore, we invite scholars from around the world to submit abstracts for conceptual, theoretical or empirical papers on all topics addressed above. Studies that use an innovative qualitative or quantitative methodological approach are of particular interest. We also welcome a variety of disciplinary and interdisciplinary approaches. Submissions are particularly encouraged from doctoral students working on the topic of coproduction.

Meeting Format
The meeting will open with a keynote by John Alford, Professor of Public Sector Management at the Australia and New Zealand School of Government (ANZSOG) and at the Melbourne Business School (MBS), University of MelbourneThe meeting will consist of individual paper presentations. Full papers will be made available to all participants in advance of the meeting to deepen the discussion. The meeting will conclude with a round table conversation about the study group’s plans for intercontinental collaboration in coproduction research and, more specifically, the development of an edited book to be published by Routledge.

Date and Location
The meeting of the Study Group on Coproduction of Public Services will take place in Tampere, Finland from 13 to 14 June 2016.  

Cost
The registration fee is 120 Euro. Participants are responsible for their own travel and accommodations.

Submissions
Please submit abstracts (maximum 600 words) by 1 March 2016 to Sanna.Tuurnas@staff.uta.fi and trui.steen@soc.kuleuven.be
Participants will be notified of acceptance by 30 March 2016. Full papers should be submitted by 31 May 2016.
For practical information on the event, please contact Sanna Tuurnas [Sanna.Tuurnas@staff.uta.fi].

Organization
The IIAS study group on ‘Coproduction of Public Services’ is co-chaired by Trui Steen (Leiden University, the Netherlands and KU Leuven, Belgium), Tina Nabatchi (Syracuse University, United States) and Dirk Brand (University of Stellenbosch, South Africa). The 2016 meeting of the study group is organized by Sanna Tuurnas, Jari Stenvall and Elias Pekkola (Tampere University, Finland).

Chamada aberta: programa da OEA para promoção de governos abertos nas Américas

    Programa OEA para la Promoción de Gobiernos Abiertos en las Américas

    La Organización de los Estados Americanos (OEA) ha lanzado la segunda edición del "Programa OEA para la Promoción de Gobiernos Abiertos en las Américas" (conocido en inglés como The OAS Fellowship on Open Government in the Americas), que se enmarca dentro de los distintos esfuerzos que vienen realizando los países y la comunidad internacional para implementar prácticas de Gobierno Abierto en la región.

    El objetivo de este programa es crear una red de jóvenes agentes de cambio que reúna a la siguiente generación de líderes de toda la región, ofreciéndoles un espacio para la reflexión, el debate y el intercambio de conocimientos y experiencias en temas de Gobierno Abierto. Desde una orientación multidisciplinaria e integradora, la red vinculará a participantes provenientes de la esfera pública, del sector privado y de la sociedad civil, con el fin de que generen propuestas innovadoras para abordar los actuales desafíos que enfrenta la región.

    Para llevar a cabo esta iniciativa, se han formado alianzas estratégicas con varios socios que comparten los objetivos de la OEA de impulsar y reforzar las prácticas de Gobierno Abierto en la región, entre ellos: Open Society Foundations, los Gobiernos de Corea del Sur y Países Bajos, la Comisión Económica para América Latina y el Caribe (CEPAL), la Fundación AVINA, el Centro Carter, y la Konrad Adenauer Stiftung, quienes contribuirán técnica, logística y financieramente al Fellowship. Estamos agradecidos de contar con el apoyo de dichos actores y convencidos de que el trabajo conjunto nos permitirá lograr sinergia de esfuerzos, un mayor alcance del programa y mejores resultados. 
    Fonte: http://www.oas.org/es/sap/dgpe/OpenGovFellowship/
    El plazo de aplicación para la segunda edición del Fellowship se inicia el día 10 de diciembre de 2015 y finaliza a las 23:59 hs. (horario de Washington, DC) del 31 de enero de 2016. 
    ¿Cómo aplicar al programa? 
    http://www.oas.org/es/sap/dgpe/OpenGovFellowship/

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

I Congreso Internacional sobre Ciudades inteligentes, Innovación y sostenibilidad - CIIS 16 em Córdoba-AR


Trata-se do I Congresso Internacional sobre Cidades inteligentes, Inovação e Sustentabilidade organizado pelo Centro de Investigaciones sobre Cultura y Sociedad, CIECS (CONICET y UNC), Comité de Energía Córdoba (CEC) e Secretaría de Ciencia y Tecnología da Universidad Nacional de Córdoba (UNC), a ser realizado na Cidade de Córdoba, nos dia 30 e 31 de maio e 1º de junho de 2016.
O encontro tem como objetivo destacar os desafios e oportunidades apresentados por cidades sustentáveis​​ que, combinado com a inovação e qualidade de vida de seus habitantes são a base de uma cidade inteligente.
A proposta é de debate e apresentação de propostas inovadoras e/ou tecnológicas que contribuam para a melhoria da qualidade de vida nas cidades
A estrutura do congresso compreende sessões de apresentações de trabalhos, painéis, conferências, apresentações de livros, exposição de experiências de inovação e cursos.

Os trabalhos são convocados para as seguintes sessões:

1 - GESTION PUBLICA: GOBERNANZA Y RENDICION DE CUENTAS
     Coords. Corina Echavarría (CONICET) Luciano Fedozzi, UFRGS y Silvana Fernández (IIFAP-UNC)
2- PARTICIPACION Y COMPROMISO CIUDADANO
    Coord. Silvia Brussino (CONICET y UNC)
3- AMBIENTE URBANO Y TICs
    Coords. Santiago Reyna (UNC) y Luis Santos (DINAMA, Uruguay)
4- MOVILIDAD EFICIENTE, SUSTENTABLE E INTELIGENTE
    Coords. Silvana López (IIFAP-UNC)
5- PROTECCION SOCIAL Y EQUIDAD EN SALUD
    Coord. Alejandro Giusti (CIECS) y Doris Cardona (Universidad de Medellín, Colombia)
6- POLITICAS DE SEGURIDAD CIUDADANA EN LAS CIUDADES INTELIGENTES: INTERACCIONES Y EFECTOS
    Coord. Paul Hathazy (CONICET y UNC)
7- EQUIDAD EN EDUCACION
   Coords. María Alvarez (UNVM) y Tirza Aidar (Universidad de Campinas)
8- TICs Y PRACTICAS SOCIOCULTURALES
   Coord.: Vanina Papalini (CIECS-CONICET y UNC)
9- TECNOLOGIA E INNOVACION
   Coord: Eduardo Salonia – TIC Argentina
10- SEGURIDAD Y ATENCION DE EMERGENCIAS. AVISOS TEMPRANOS
   Coord. Giorgio Caranti (CONAE)
11- PLANIFICACION URBANA Y EDIFICIOS INTELIGENTES
   Coord. Arq. José Luis Pilatti -GASUS (UNC)
12- GOBIERNO Y ECONOMÍA PUBLICA Y PRIVADA: GENERACION INTELIGENTE DEL EMPLEO
    Coord. Jorge Paz (CONICET) y Cedric Lomba (CNRS)
13- SIG RECURSO ESTRATEGICO PARA LA TOMA DE DECISIONES SUSTENTABLES
   Coord. Ernesto Guillermo Abril (UNC - CONICET)
14- EFICIENCIA ENERGÉTICA. Una componente indispensable en la ecuación Energética nacional
   Coord. Salvador Gil, UNSAM y Gabriel Gómez (UNC)
15- SMART GRIDS. LAS REDES DE ENERGIA ELÉCTRICA DEL FUTURO CERCANO
   Coords. Juan Carlos Gómez Targarona (UNRC) y Miguel Piumetto (UNC)

DATAS LIMITES (prorrogado):

15 de fevereiro de 2016 - resumos
14 de março de 2016 - trabalhos completos
11 de abril de 2016 - notificação sobre aceitação dos trabalhos
29 de abril de 2016: recepção da versão final dos trabalhos.

Custos de inscrição:

Do Pan 2007 às Olimpíadas 2016: o que aprendemos?

* Por Thomas Muller Mitke

A cidade do Rio de Janeiro sediou em 2007 os jogos Pan-Americanos. Considerado um fracasso em termos de planejamento público, o Pan supostamente serviu de exemplo para os próximos grandes eventos a serem sediados no Brasil.
Na época das obras para o evento, desconfiava-se que os gastos previstos no primeiro projeto teriam sido ultrapassados, porém, sem nenhuma confirmação por parte do poder público. Em 2009, com a divulgação dos dados imposta pela Lei da Transparência, confirmou-se o especulado. Os gastos foram quase dez vezes maiores do que o previsto, a depender do que se inclui no cálculo.

Previsto inicialmente
R$523.840.000,00
R$386.000.000,00
R$390.000.000,00
Gastos Especulados
R$2.847.000.000,00
R$5.000.000.000,00
R$3.500.000.000,00
Diferença
R$2.323.160.000,00
R$4.614.000.000,00
R$3.110.000.000,00
 Fontes
Folha
Inverta
Portal Transparência
Tabela 1: Divergência dos gastos estimados com o Pan 2007
            
Percebe-se que a falta de transparência do governo com os dados, principalmente antes da Lei da Transparência e da Lei de Acesso à Informação, leva a mídia a especular sobre os gastos, muitas vezes superestimando o valor real destes. Assim, contribui-se para a instabilidade política e o aumento da crise de confiança da população em seus gestores.
            Por outro lado, a divulgação da informação gera dúvidas pela falta de credibilidade que o governo possui hoje com a população, uma vez que o poder público possui histórico de gastos excessivos acobertados por políticos influentes. Assim, questiona-se: para as Olímpiadas, existiu algum aprendizado?
A diferença na previsão orçamentária dos dois eventos é grande. Enquanto o Pan custou aproximadamente R$3,5 bilhões, as Olimpíadas previam, em seu projeto original, um custo de R$28,8 bilhões. Investimento este que, financiado em grande parte pelo Governo Federal, beneficia principalmente uma cidade.
            Pelo que é divulgado hoje, talvez tenhamos aprendido a lição sim com o Pan, uma vez que a mídia mostra que as obras das Olimpíadas estão ocorrendo sem grandes atrasos e sem exceder em grande escala a previsão orçamentária. Ao mesmo tempo, eu, como cidadão, senti enorme dificuldade em encontrar os dados que necessitava para elaborar essa pesquisa.
Alguns dos argumentos para sediar eventos como esses geram questionamentos. Enquanto parte da sociedade crê que as Olimpíadas podem trazer significativo retorno à cidade do Rio de Janeiro e ao País, grande parte da população ainda possui dúvidas. Dados sociais levantados na época do Pan, por exemplo, revelaram que a taxa de desemprego permaneceu a mesma durante o período de obras do evento, embora houvesse a expectativa de que geraria múltiplas vagas de emprego. 
A infraestrutura das arenas e ginásios construídos mostraram, também, que os gastos do governo poderiam ter sido melhor efetuados, muitos deles inutilizados ou reformados pouco tempo depois de construídos. É impossível não se indignar ao observar o que foi feito com o Estádio João Havelange por exemplo. Para saber mais,clique aqui.
            Considerando nossa recente experiência, não seria esperado que a sociedade civil se mobilizasse mais em prol da melhor aplicação dos recursos públicos, principalmente na cidade sede do evento?  Deveríamos gastar mais dinheiro com obras no Rio de Janeiro para atender às mesmas finalidades de um evento que ocorreu há menos de uma década atrás?
            Ao mesmo tempo, reconhecendo que houve avanços, pode-se dizer que os riscos de cometermos os mesmos erros nas Olimpíadas reduziram, ou que, pelo menos, avançamos alguns passos em termos de transparência. Hoje possuímos algumas formas de fiscalização sobre os gastos do poder público, tanto pelos órgãos de controle como pela sociedade civil e pela imprensa. Apesar das dificuldades, espera-se que essas novas formas de fiscalização se constituam como um dos legados dos Jogos Olímpicos para o país, contribuindo para desenvolver a accountability no processo da gestão pública.

Para saber mais:

FECHADO HÁ 1 ANO, ENGENHÃO REABRE ATÉ FIM DE 2014, DIZ PREFEITURA. http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2014/03/fechado-ha-1-ano-engenhao-reabre-ate-fim-de-2014-diz-prefeitura.html. Acesso em: 25/11/2015
OLIMPÍADAS 2016 ENSAIAM O SALTO ORÇAMENTÁRIO DO PAN. Disponível em: http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Politica/Olimpiadas-de-2016-ensaiam-o-salto-orcamentario-do-Pan/4/15733. Acesso em: 26/11/2015
ORÇAMENTO DO PAN INFLA 444% E CHEGA A R$2,8 BILHÕES. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/folha/esporte/ult92u109000.shtml. Acesso em: 26/11/2015
PAN-2007 CUSTA DEZ VEZES MAIS QUE O ORÇAMENTO INICIAL. Disponível em: http://inverta.org/jornal/edicao-impressa/411/Economia/411PAN. Acesso em: 28/11/2015
PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DAS OLÍMPIADAS 2016. Disponível em: http://transparencia.gov.br/rio2016/. Acesso em: 24/11/2015
TCU CRITICA GASTOS E COBRA EXPLICAÇÕES SOBRE O PAN. Disponível em: http://esportes.terra.com.br/noticias/0,,OI3207786-EI2276,00-TCU+critica+ gastos+e+cobra+explicacoes+sobre+o+Pan.html. Acesso em: 25/11/2015

* Este texto foi elaborado por Thomas Muller Mitke, acadêmico do curso de administração pública da Udesc/Esag, no contexto da disciplina Accountability Systems.

Accountability e o Elefante Branco de Natal

Por Thomas Muller Mitke

            O estádio Arena das Dunas de Natal foi construído em uma parceria público-privada entre o Governo do Estado do Rio Grande do Norte e a construtora OAS Arenas. Oficialmente, custou 423 milhões de reais aos cofres públicos, o que é quase 21% a mais do que o inicialmente previsto no Projeto Básico de 2010 (350 milhões).
A construção da obra causa dúvidas em relação à transparência de gastos dos recursos, uma vez que, segundo o Portal da Transparência da Copa 2014 e o Projeto Jogos Limpos, o BNDES financiou R$396.571.000,00 da obra. Já a Construtora e portais de notícias, como BBC e UOL, afirmam que R$300.000.000,00 foram financiados pelo Banco, sendo 123 milhões de reais quitados à vista pela empresa.

Pago à vista pela OAS
R$123.000.000,00
R$132.190.000,00
R$132.190.000,00
Financiamento BNDES
R$300.000.000,00
R$396.571.000,00
R$396.571.000,00
Total
R$423.000.000,00
R$528.761.000,00
R$528.761.000,00
 Fonte
BBC e UOL
Jogos Limpos
Transparência
Tabela 1: Custos de Construção da Arena das Dunas

            Por meio da PPP feita com a administradora do estádio, o governo do RN terá pago, ao final do contrato de concessão de 20 anos, 1.28 bilhões de reais a OAS. Com essa quantia, poderiam ter sido construídos três estádios da mesma magnitude da Arena das Dunas, pelo seu preço estimado de construção. Além disso, há cláusulas contratuais que definem um lucro mínimo (não divulgado publicamente) para a OAS Arenas que, caso não seja alcançado, será coberto pelo governo do estado, além das parcelas mensais já acordadas.

Informações Disponíveis Publicamente
Construção do Estádio R$423.000.000,00
Concessão de Uso R$ 1.288.440.000,00
Informações Exclusivas
Manutenção e Arrecadação Mensal
Lucro Mínimo Exigido pela OAS
Tabela 2: Informações disponíveis e informações exclusivas sobre Arena das Dunas

           Os custos de manutenção do estádio também não foram expostos. Por estar localizado em uma região sem grande tradição no futebol e que não costuma receber grandes eventos, é razoável supor que dificilmente serão cobertos, o que pode ser estimado pela média de público do estádio atualmente, nos eventos que recebe (9.000 torcedores para uma capacidade de 31.000).
            Além de tudo, a construtora OAS, investigada pela Operação Lava Jato, teve cinco executivos presos recentemente. Entre eles, estava seu presidente José Aldemário Pinheiro Filho, condenado por corrupção, lavagem de dinheiro e formação de organização criminosa. Constataram-se fraudes licitatórias na Petrobrás, favorecendo a construtora para vencer disputas em refinarias do Paraná e Pernambuco.
            Hoje, a facilidade de fraude em licitação com altos valores se dá principalmente pela dificuldade de acesso que a sociedade civil possui sobre os dados oficiais do governo. O superfaturamento em obras públicas não é algo novo no Brasil e, apesar do crescente interesse da população sobre as contas públicas, ainda não possuímos ferramentas eficazes de pressão sobre a Administração Direta e Indireta da nação para evitar esse tipo de acontecimento.
Segundo Schedler (2004), a accountability pode ser definida pela relação entre “A” e “B”, sendo que “A” presta contas a “B” quando está obrigado a informar sobre suas ações e decisões, a justificá-las e a sofrer o castigo correspondente em caso de má conduta. Engloba três dimensões, sendo elas: informação, justificação e sansão.
O conceito tem se expandido desde o início do século XXI, com o crescimento das mobilizações em torno da transparência sobre o que é feito com o patrimônio público e os serviços públicos. A partir da Lei da Transparência, em 2009, muitos avanços foram obtidos na divulgação de informações públicas em portais eletrônicos. Ao mesmo tempo, a lei não estabeleceu diretrizes claras sobre como as informações deveriam ser divulgadas, o que dificulta a busca das mesmas pelos cidadãos. O quadro a seguir busca mostrar alguns avanços e desafios ocorridos nas últimas décadas, no Brasil, em relação à accountability:

Avanços
Desafios
Mais informação à disposição da sociedade
Dificuldade para acessar as informações nas plataformas eletrônicas
Interesse da sociedade para adquirir informações
Pouca pressão social buscando qualidade nas informações
Ação de organizações da sociedade civil
Informações desatualizadas e rebuscadas
Mais dificuldade para fraudar compras públicas
Informações complexas que confundem o cidadão
Menos propensão de políticos a cometerem atos de corrupção
Não se exige transparência das empresas em ações conjuntas com o poder público
           Quadro 1: Avanços e desafios da transparência e accountability no Brasil

Uma das fragilidades que ainda se percebe é que as leis impostas às entidades privadas no Brasil falham ao não prever a necessidade da transparência de dados pelas empresas que trabalham em parceria com a administração pública. A partir do momento em que há interesse público, em qualquer ação de uma organização privada, as etapas do processo devem ser divulgadas para análise da comunidade. Dessa forma, busca-se facilitar o acesso à informação e não dificultá-lo, como acontece atualmente.
            Assim, deve-se procurar eficácia na promoção da transparência, esmiuçando as informações nos portais eletrônicos, para que todos os cidadãos possam entendê-las. Não se pode deixar a fiscalização das atividades do poder público por responsabilidade apenas dos observatórios sociais e dos intelectuais da mídia. O cidadão deve ter poder de atuar diretamente, contribuindo para definir o destino dos recursos públicos.
            Dessa forma, percebe-se o papel importante de projetos da sociedade civil como o “Jogos Limpos”, que se dispõe a oferecer ferramentas para ações coletivas de vigilância, monitoramento e controle social sobre os investimentos destinados para a Copa do Mundo de 2014 e para as Olimpíadas de 2016.
            Então, para que existam métodos eficazes de gestão no meio público, é necessário que se empodere mais a sociedade civil e os observatórios sociais, buscando cumprir o papel de fiscalização dos processos decisórios nos órgãos públicos. A administração pública só é modificada a partir do momento em que os próprios agentes públicos e a sociedade civil enxergam a necessidade de mudança.


Referências
ARENA DAS DUNAS. Disponível em: https://arenadunas.com.br/. Acesso em: 13/11/2015
ARENA DAS DUNAS: CENTRO COMERCIAL, ESTÁDIO DE FUTEBOL OU ELEFANTE BRANCO? Disponível em: http://copadomundo.uol.com.br/ noticias/redacao/2014/01/30/arena-das-dunas-centro-comercial-estadio-de-fute bol-ou-elefante-branco.htm. Acesso em: 16/11/2015
BNDES APROVA R$ 396 MILHÕES PARA A ARENA DAS DUNAS EM NATAL. ESTÁDIO ESTÁ 50% MAIS CARO QUE PREVISÃO INICIAL. Disponível em: http://www.jogoslimpos.org.br/destaques/bndes-aprova-r-396-milhoes-para-arena-das-dunas-em-natal-estadio-esta-50-mais-caro-previsao-ini cial/. Acesso em: 09/11/2015
COPA: PREJUÍZO DE ‘ELEFANTES BRANCOS’ JÁ SUPERA R$ 10 MILHÕES. Disponível em: http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/02/ 150212_elefantes_brancos_copa_rm. Acesso em: 09/11/2015
NASCERAM OS ELEFANTES BRANCOS DA COPA. Disponível em: http://entretenimento.r7.com/blogs/andre-barcinski/nasceram-os-elefantes-bran cos-da-copa-e-agora-pachecada-20150127/. Acesso em: 06/11/2015
PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DA COPA DO MUNDO DE 2014. Disponível em: http://www.portaltransparencia.gov.br/copa2014/cidades/execucao.seam? empreendimento=6. Acesso em: 09/11/2015
SERGIO MORO CONDENA PRESIDENTE DA OAS POR CORRUPÇÃO. Disponível em: http://epoca.globo.com/tempo/filtro/noticia/2015/08/sergio-moro-condena-presidente-da-oas-por-corrupcao.html. Acesso em: 15/11/2015


* Este texto foi elaborado por Thomas Muller Mitke, acadêmico do curso de administração pública da Udesc/Esag, no contexto da disciplina Accountability Systems.