sexta-feira, 26 de setembro de 2014

IV Seminário Observatórios, Metodologias e Impactos: territórios e políticas públicas


O IV Seminário OBSERVATÓRIOS, METODOLOGIAS E IMPACTOS – TERRITÓRIOS E POLÍTICAS PÚBLICAS dá sequência à tematização de interesse de um coletivo de observatórios comprometidos com a organização e democratização das informações, assim como com a afirmação de políticas públicas no contexto da sociedade e Estado contemporâneos. O evento realizado pelo Instituto Humanitas, da Unisinos, juntamente com uma rede de diversos observatórios, dá continuidade a três seminários anteriores, que objetivaram promover o estudo e o debate sobre o papel dos observatórios, suas metodologias e impactos junto às políticas públicas, assim como a articulação entre os agentes e pesquisadores destas tecnologias sociais.

Este IV Seminário conta com a participação da pesquisadora Paula Chies Schommer, do grupo de pesquisa Politeia, que tem desenvolvido pesquisas sobre a atuação de observatórios sociais.

Público: Acadêmicos, pesquisadores, gestores governamentais, da sociedade civil e conselheiros e agentes que atuam vinculados a Observatórios e nos processos de fortalecimento da transparência e democratização do Estado e da Sociedade.

Objetivos: Analisar e articular as concepções, práticas e contribuições na qualificação das estratégias de relação dos Observatórios com os territórios e os seus impactos nas políticas públicas.
  • Promover o debate sobre as metodologias de acesso, sistematização e publicização dos indicadores e bases de dados utilizados pelos Observatórios;  
  • Avaliar as contribuições e limites dos Observatórios nas suas relações com os agentes implicados na construção e controle social das políticas públicas nos diferentes territórios.

Programação: 


29/09 – segunda-feira:

  • 14h – Recepção e Credenciamento
  • 15h – Roda de conversa dos Observatórios Sociais: territórios e políticas públicas
Debatedora: Profa. Dra. Paula Chies Schommer – Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC
  • 18h – Lançamento das produções dos observatórios
19h – Lançamento do Dicionário para a formação de Gestão Social – Profa. Dra. Paula Chies Schommer – Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC
  • 19h30min – Conferência de abertura – Observatórios, territórios e políticas públicas no contexto atual – Profa. Dra. Dirce Harue Ueno Koga – Universidade Cruzeiro do Sul – UNICSUL
  • 22h – Encerramento

30/09 – terça-feira 
  • 8h30min – Acolhida
  • 9h – Mesa-redonda – Impactos e contribuições dos Observatórios nos diferentes contextos
  • Coordenação: Profa. Dra. Flávia Obino Corrêa Werle – Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS
  • Participantes: Prof. MS Irio Conti – Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – CONSEA: Noemi Krefta – Movimento de Mulheres Camponesas e Articulação Nacional de Agroecologia; Paola Carvalho – Coordenadora Executiva do Programa RS MAIS IGUAL; Prof. MS Mauricio Farias Cardoso – Presidente da Associação Comercial e Industrial de Alvorada
  • 11h30min – Intervalo
  • 13h – Apresentação de trabalhos – Orais e Pôsteres
  • 15h – Intervalo
  • 15h30min – Desafios e estratégias dos Observatórios junto aos territórios – Profa. Dra. Dirce Harue Ueno Koga – Universidade Cruzeiro do Sul – UNICSUL
  • 17h30min – Avaliação
  • 18h – Encerramento
Inscrições: 

Faça sua inscrição aqui.
Confira a lista dos trabalhos aprovados aqui.
Evento gratuito.

Fonte: Instituto Humanitas Unisinos - http://www.ihu.unisinos.br/eventos/agenda/482-

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Coprodução de serviços públicos como estratégia de implementação do novo serviço público

* Por Nadia Garlet

Para entender porque a coprodução é uma estratégia para a implementação do novo serviço público é preciso, antes, saber como cada um dos dois funciona ou se propõe a funcionar. Para que exista coprodução de serviços públicos, é necessário o envolvimento dos cidadãos/usuários de um serviço específico e do ofertante daquele serviço, ou seja, todos os envolvidos com aquele bem/serviço devem participar ativamente da decisão de como vai ser ofertado/entregue e também na entrega propriamente dita (Verschuere, Brandsen & Pestoff, 2012)

Esse processo envolve uma participação ativa de todos, especialmente daqueles que se beneficiarão do serviço, porque a coprodução não é feita somente para os outros, mas principalmente para atender a uma necessidade sentida pelo cidadão. Este se mobiliza e se articula com outros cidadãos e com servidores públicos para encontrar uma solução.

A coprodução necessita, portanto, do engajamento de ambas as partes (cidadãos e ofertantes regulares do serviço) e esse engajamento se mantém no tempo, principalmente quando há resultados dessa coprodução e esses resultados são percebidos pelos envolvidos. Por essas características é que se pode afirmar que a coprodução é uma estratégia para a implementação do novo serviço público, modelo de administração pública que tem como foco servir ao interesse público.

Outras características do novo serviço público também nos permitem relacioná-lo à coprodução, tais como os conceitos que o fundamentam: diálogo, cidadania, participação e envolvimento. Outros pontos importantes dizem respeito às raízes do novo serviço público (Denhadt e Denhardt, 2003), que envolvem a cidadania democrática, com o senso de pertencimento e o engajamento em prol do bem comum; o senso de comunidade; o humanismo organizacional, que estimula o desenvolvimento das pessoas; e o pós-modernismo, que permite ao Estado ter mais de uma solução para o mesmo problema, ou seja, adaptar a sua atuação conforme o contexto em questão. Este último ponto, relacionado à solução adaptada ao contexto, está diretamente relacionado à coprodução, que também trabalha com soluções locais que atendam especificamente a uma necessidade.

O novo serviço público torna-se viável por meio da coprodução, pois esta implica um trabalho cooperativo realizado pelos vários atores envolvidos (públicos, privados e organizações da sociedade civil e cidadãos/usuários), além de sua motivação que é a contribuição com a sociedade, o fortalecimento da cidadania.

Compreendendo os dois – coprodução e novo serviço público – pode-se dizer que a coprodução dos serviços públicos é um elemento fundamental para garantir, embora não sozinha, a implementação do novo serviço público. No entanto, mesmo sendo um modelo com ideais consistentes, ainda carece de estudos relacionados, principalmente, à accountability, já que haverá mais de um ator envolvido na produção e a principal questão a ser respondida é quem controla quem e para quem se faz a accountability, desafio também presente na coprodução.



*Nadia Garlet é graduada em relações pública e em jornalismo pela Universidade Federal de Santa Maria e mestranda em administração na Universidade do Estado de Santa Catarina, Udesc/Esag. É relações públicas do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina. No primeiro semestre de 2014, cursou a disciplina Coprodução do Bem Público, do Mestrado em Administração da Udesc/Esag, na qual desenvolveu este texto.


Referências sobre coprodução e novo serviço público:

BRUDNEY, J. L.; ENGLAND, R. E. Toward a definition of the coproduction concept. Public Administration Review. 43 (1), 59-65, 1983.

DENHARDT, Jane Vinzant; DENHARDT, Robert B. The New Public Service: Serving, not Steering. New York: M.E.Sharpe, 2003.

VERSCHUERE, Bram; BRANDSEN, Taco; PESTOFF, Victor. Co-production: The State of the Art in Research and the Future Agenda. Voluntas, 23(4):1083, 2012.DOI 10.1007/s11266-012-9307-8

WHITAKER, G. Co-production: Citizen Participation in service delivery.  Public Administration Review. p.240-246, may/jun. 1980.


Para saber mais sobre accountability:

ROCHA, Arlindo Carvalho. Accountability na administração pública: modelos teóricos e abordagens. Contabilidade, Gestão e Governança. Brasília, v. 14, n. 2, p. 82-97, mai./ago. 2011. Disponível em http://www.cgg-amg.unb.br/index.php/contabil/article/view/314/pdf_162

ABRUCIO, Fernando Luiz; LOUREIRO, Maria Rita. Finanças públicas, democracia e accountability. In: ARVATE, Paulo Roberto; BIDERMAN, Ciro. Economia do Setor Público no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier/Campus, 2005.

KOPPELL, Jonathan. Pathologies of accountability: ICANN and the challenge of “multiple accountability disorder”. Public Administration Review, v. 65, n. 1, pgs. 94-108, jan 2005.

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Gestão Social: ensino, pesquisa e prática - Chamada de trabalhos para edição especial da Revista de Ciências da Administração da UFSC/CSE


O Departamento de Ciências da Administração do Centro Socioeconômico da Universidade Federal de Santa Catarina em parceria com o Programa de Estudos em Gestão Social – PEGS, através do Projeto “Gestão Social: ensino, pesquisa e prática” – Edital PRO- ADMINISTRAÇÃO/CAPES n. 09/2008, torna público que estará aberta por um período de 70 (setenta) dias, a contar do dia 08 de setembro de 2014 até 16 de novembro de 2014, a chamada aos pesquisadores para submeterem artigos visando a compor a “Edição Especial” do periódico científico Revista de Ciências da Administração da UFSC, ISSN 2175-8077 e ISSN 1516-3865, tendo como tema central a “Gestão Social: ensino, pesquisa e prática”.

Maiores informações no site: https://periodicos.ufsc.br/index.php/adm

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Pesquisa mostra que mais de 50% dos eleitores de SC estão pouco interessados nas Eleições

No dia 01 de setembro, uma reportagem do RBS Notícias trouxe à tona uma discussão sobre o (des)interesse dos catarinenses nas eleições e sua lembrança (ou esquecimento) do voto na última eleição. 
A reportagem contou com entrevista aos professores e pesquisadores do Grupo de Pesquisa Politeia, Enio Luiz Spaniol e Paula Chies Schommer, na sala do grupo.
Confira a reportagem:


Artigo do pesquisador José Francisco Salm Júnior é publicado na revista Science

José Francisco Salm Júnior, professor de Administração Pública e pesquisador do Grupo de Pesquisa Politeia, da Udesc/Esag, e do Instituto Stela, teve um artigo publicado na mais recente edição da prestigiada revista Science, em co-autoria com três pesquisadores da Organização Mundial de Saúde (OMS).

O texto trata da construção de um observatório global de pesquisa e desenvolvimento na área de saúde, trabalho que está em andamento na OMS, com ativa participação do professor Salm Jr.

É imensa nossa alegria pelo grande feito de nosso colega José Salm Jr. O trabalho que ele vem desenvolvendo na Organização Mundial de Saúde contribuirá para importantes avanços na saúde em todo o mundo. Tão importante e qualificado que ganha esse espaço na Science, publicação na qual poucos brasileiros até hoje figuraram como autores. Alegria nossa de conviver cotidianamente com o colega e aprender com sua sabedoria, que é repleta de inteligência, simplicidade e muito trabalho.

OBRIGADA E PARABÉNS!!!!

Detalhes desse grande feito no texto de Gustavo Cabral Vaz:



2/09/2014 ~ 09h50min

Artigo de professor da Udesc é publicado na revista Science

Edição divulgada nesta sexta traz texto de co-autoria de José Salm Júnior, da Esag, sobre trabalho elaborado para a Organização Mundial de Saúde


Artigo aborda observatório global de pesquisa
e desenvolvimento na área da saúde
Considerada uma das publicações científicas mais prestigiadas do mundo, a revista norte-americana Science traz na edição divulgada nesta sexta-feira, 12, um artigo assinado pelo professor José Francisco Salm Júnior, do Centro de Ciências da Administração e Socioeconômicas (Esag), da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) em Florianópolis.

Elaborado em parceria com três pesquisadores da Organização Mundial de Saúde (OMS), o artigo aborda o trabalho em andamento para construção de um observatório global de pesquisa e desenvolvimento na área da saúde.

Idealizado para utilização e benefício de todos os países membros da OMS, o observatório visa reunir dados de pesquisas que tratem de doenças atualmente negligenciadas pela indústria farmacêutica. O sistema funcionará como um mapa global de atividades de pesquisa relacionadas à saúde.

Pela equipe da OMS, são coautores do artigo os pesquisadores Robert Terry e Cláudia Nannei, ambos do programa especial de pesquisa em doenças tropicais da organização, e Christopher Dye, que integra o gabinete do Diretor Geral da entidade com base em Genebra, na Suíça.

Segundo o professor Salm Jr., sua contribuição ocorreu pela experiência de mais de 18 anos trabalhando com plataformas nacionais e internacionais de ciência, tecnologia e inovação.

Plataforma Lattes

Nos anos 1990, Salm Jr. integrou a equipe de pesquisadores que desenvolveu a Plataforma Lattes, lançada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e hoje uma das maiores bases de registro da atividade científica no País.

A plataforma integra em um único sistema de informações as bases de dados de currículos, grupos de pesquisa e instituições das áreas de ciência e tecnologia que atuam no Brasil.

Após seu lançamento, o professor Salm Jr. também atuou como coordenador, junto às instituições de ensino superior brasileiras, da criação da padronização do currículo Lattes.


Professor Salm Jr., que é natural de
Florianópolis, elaborou artigo em
parceria com três pesquisadores da OMS
O desenvolvimento da plataforma teve participação de outra instituição da qual o professor Salm Jr. também é pesquisador: o Instituto Stela, organização privada, de gênese universitária e sem fins econômicos, que se dedica à pesquisa, ao desenvolvimento e à inovação de soluções em engenharia e gestão estratégica de informação e conhecimento.

Lattes norte-americano

Entre 2010 até 2012, Salm Jr. integrou a equipe de pesquisadores que concebeu o equivalente da Plataforma Lattes junto às agências de fomento nos Estados Unidos, denominado Science Experts Network Curriculum Vitae (ScienCV)

O trabalho foi realizado com participação de profissionais da National Science Foundation (NSF), do National Institutes of Health (NIH) e do escritório de Políticas Públicas em Ciência e Tecnologia da Casa Branca.

As experiências de desenvolvimento dessas duas plataformas são citadas no artigo publicado na revista Science como fontes de conhecimento para chegar à proposta do Observatório Global em Pesquisa e Desenvolvimento da OMS.

Docente do curso de Administração Pública da Udesc Esag, Salm Jr. abordou em seu doutorado o tema Engenharia de Ontologias para Plataformas de Governo Aberto. Ele é filho do professor José Francisco Salm, PhD, que também atuou como docente pelo centro de ensino.

Sobre o artigo, ele revela uma importância pessoal no momento da publicação: "A data é muito especial para mim, pois nesse dia meus pais completariam 50 anos de casados, motivo pela qual dedico esse trabalho à memória de minha mãe e ao meu pai, que me iniciou na atividade acadêmica e sempre me orientou".

A revista

Publicada pela Associação Americana pelo Avanço da Ciência, a revista Science é considerada uma das publicações científicas mais prestigiadas do mundo, ao lado da inglesa Nature.

Com tiragem semanal de 130 mil exemplares e número estimado de leitores superior a um milhão, foi fundada em 1880, em Nova York, e teve entre seus financiadores nomes como Thomas Edison e Alexander Graham Bell.

Os artigos que publica são submetidos ao processo de revisão paritária e sua linha editorial tem como objetivo maior a publicação de descobertas científicas recentes.

Autores do artigo:
Robert F. Terry – Pesquisador do programa especial de pesquisa em doenças tropicais da OMS
José F. Salm Jr. – Professor e pesquisador na Udesc Esag e pesquisador no Instituto Stela
Cláudia Nannei – Pesquisadora do programa especial de pesquisa em doenças tropicais da OMS
Christopher Dye – Diretor de Estratégia do Gabinete do Diretor Geral da OMS

Assessoria de Comunicação da Udesc Esag
Jornalista Gustavo Cabral Vaz
E-mail: gustavo.vaz@udesc.br
Telefone: (48) 3321-8281 

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Transparência, Accountability e Jornalismo

O Centro Knight para Jornalismo nas Américas organizou um e-book em 12 capítulos destacando a situação do acesso à informação em 11 países Latino-americanos e da região do Caribe. A publicação, em inglês, "Transparency and Accountability: Journalism and acess to public information in Latin American and Caribe", está disponível gratuitamente.


A proposta do livro nasce, segundo consta em seu Prefácio, a partir da percepção de que o acesso à informação ajuda a mudar o cenário da cultura do segredo que sempre vigorou nestes países e o papel que o jornalismo pode exercer, contribuindo com esse debate. Acesse a íntegra do material Aqui.

A Nova Economia da Mobilidade

No próximo dia 26 de setembro, no auditório da Torre Santander, na Avenida Juscelino Kubischeck - 2.235, em São Paulo, será realizado o Seminário A Nova Economia da Sustentabilidade. O evento integra a Virada da Sustentabilidade e reunirá tomadores de decisão do setor privado, governos e sociedade civil, debatendo estratégias e soluções para a mobilidade urbana e a busca por cidades sustentáveis.

As inscrições podem ser feitas Aqui.

A Agenda Preliminar do Seminário contempla:


segunda-feira, 8 de setembro de 2014

ISCUS - International Students Conference on Urban Sustainability

Curitiba vai sediar em 2015 a segunda edição da ISCUS - International Students Conference on Urban Sustainability. A Conferência será organizada em parceria entre a Universidade Livre do Meio Ambiente (Unilivre) e a REI Curitiba.


A Conferência adota uma abordagem multidisciplinar para debater sustentabilidade urbana, reunindo diversos estudantes de áreas de pesquisa relacionadas a temática. Haverá apresentação de Trabalhos. Resumos de artigos podem ser submetidos no site da Conferência até 25 de Novembro de 2014.

O evento ocorrerá nos dias 10, 11 e 12 de Fevereiro, na Unilivre de Curitiba.

Sobre a última edição: ISCUS 2014.

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Em ano de eleições, Politeia discute educação fiscal, transparência e cidadania


Dias 28 e 29 de agosto, Lages, na UNIPLAC, sediou o 1° Seminário Regional sobre educação fiscal e cidadania e o 6° Seminário Catarinense de Transparência Pública e Controle Social –A Educação e o Estado Transparente. Esta temática, tão antiga, torna-se cada vez mais atual. Ela é a essência da finalidade política, visando o bem público ou o bem estar coletivo. Este tema se renova e cria novas energias num ano eleitoral. As propostas das candidaturas para Presidente de República, governador do Estado, Senador, Deputado Federal e Deputado Estadual devem buscar nos temas da cidadania, transparência pública, educação fiscal, controle social, gestão da informação, a fonte inspiradora para valorizar e dignificar os anseios sociais dos cidadãos eleitores.


O Grupo de Pesquisa Politeia se envolveu nesse Seminário com a palestra “Transparência Pública, Educação e Gestão da Informação”, proferida, no encerramento do evento na sexta-feira de tarde, dia 29, pelo professor Enio Luiz Spaniol. Pela palestra se expos alguns conceitos de controle social, accountability, educação fiscal, transparência pública e gestão da informação. Foi feita uma breve análise conjuntural dos avanços e recuos havidos na recente democracia brasileira. O palestrante debateu algumas experiências exitosas que estão em construção em municípios, no Estado e no país. Foi dado destaque para os Observatórios sociais, Ministério Público, CGU, Tribunais de contas, Receita Federal, Movimento de Combate à corrupção, conjunto de Leis que regulamentam serviços públicos transparentes: LRF, LAI, LDO, LOA, PPA, OP e outras. Enio igualmente apresentou um histórico sobre a CONSOCIAL (Conferência Nacional de Transparência e Controle Social) realizada em 2011 e 2012, em torno da qual pesquisadores do Politeia publicaram o artigo “Controle Social no Brasil Estadocêntrico ou Sociocêntrico? Evidências da 1ª Conferência Nacional sobre Transparência e Controle Social, Consocial” (Schommer, Dahmer e Spaniol - Revista Administração Pública e Gestão Social, v. 6, p. 35-47, 2014), no qual expõem limites e avanços nas conquistas sociais. A principal constatação é de que a Consocial foi fundamentalmente Estadocentrica, ou seja, as iniciativas e expectativas de soluções para a nossa carência democrática estão depositadas mais no Estado do que na Sociedade. Encerram o artigo, de forma otimista, realçando que esta iniciativa deve prosseguir para mais e novas conquistas e com menos equívocos futuros.

O Seminário Catarinense de Educação Fiscal e Cidadania trouxe vários outras palestras e promoveu discussões em torno desta importante temática para a consolidação da democracia catarinense. Com vários parceiros, a principal promotora do evento foi do Programa de Educação fiscal da Secretaria de Estado da Fazenda de Santa Catarina.


segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Encontro sobre o Plano de Metas da Prefeitura de Florianópolis é realizado na Udesc

29/08/2014 ~ 15h31min


Encontro sobre o Plano de Metas da Prefeitura de Florianópolis é realizado na Udesc


Evento lotou o Auditório da Esag, com participação expressiva do poder público municipal, sociedade civil e comunidade acadêmica


 Encontro foi coordenado pelo Movimento Floripa Te Quero Bem e pela Udesc Esag.
Fotos: Gustavo Vaz/Ascom

Diversos representantes do poder público municipal e uma significativa audiência de integrantes da sociedade civil se reuniram na noite desta quinta-feira, 28, para a apresentação do atual status do Plano de Metas da Prefeitura de Florianópolis para o período 2013-2016.

O evento lotou o Auditório do Centro de Ciências da Administração e Socioeconômicas (Esag), da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), com a participação do prefeito e secretários municipais, vereadores, empresários, entidades não-governamentais, imprensa, movimentos sociais e comunidade acadêmica.

Pelo centro de ensino, participaram docentes e acadêmicos, incluindo integrantes do grupo de pesquisa Politeia e do programa de extensão Observatório Floripa Cidadã, criado para monitorar indicadores de desenvolvimento da cidade e acompanhar a elaboração e a implementação do plano. O vice-reitor da Udesc, professor Marcus Tomasi, abriu o encontro.


Professor Valério Turnes apresentou atualização dos indicadores municipais

Representando o FTQB, o gerente executivo do Instituto Comunitário Grande Florianópolis (ICom), Anderson Giovani da Silva, fez um breve retrospecto do movimento e seus objetivos.

Indicadores municipais

Pelo Observatório Floripa Cidadã, o professor Valério Turnes apresentou a atualização de indicadores - dados referentes a saúde, segurança pública, educação, planejamento e mobilidade urbana – usados como referência para a formulação do plano em 2012.

A atualização periódica dos indicadores é uma das atribuições do Observatório, resultado de uma parceria entre a Udesc Esag e o movimento FTQB, para funcionar como fonte de informação tanto para o poder público quanto para outras instituições.


Prefeito destacou importância do plano de metas
como ferramenta permanente para gestão
O prefeito César Souza Júnior iniciou a apresentação do status de implementação do plano de metas com uma panorâmica dos resultados alcançados desde sua elaboração.

Ele falou do desafio de ofertar serviços públicos de qualidade, da importância de transformar o plano de metas do executivo municipal em uma ferramenta permanente, para aproximar a sociedade da gestão, e considerou o momento "histórico para a cidade".

Prestação de contas

Em seguida, cada secretário mostrou a situação atual em cada uma das 71 metas. Os dados apresentados serão avaliados pelo Comitê Consultivo do Movimento FTQB, cujo papel é fiscalizar o cumprimento das medidas previstas e debatê-las com a comunidade e o poder público.


Secretários municipais apresentaram status
atual de cada uma das 71 metas
Prevista para ocorrer periodicamente, a prestação de contas do andamento das metas deverá ser disponibilizada também pela internet, no portal da prefeitura, com a divulgação do status de cada meta.

Um documento de análise do processo de elaboração e do conteúdo do Plano de Metas e dos resultados alcançados será elaborado pelo Observatório Floripa Cidadã.

A instituição do plano de metas do executivo municipal é fruto de uma alteração na Lei Orgânica do município, articulada pelo Movimento FTQB e aprovada em maio de 2013 pela Câmara de Vereadores. O plano foi apresentado oficialmente em março deste ano.

Envolvimento cidadão

Um de seus principais objetivos é promover o envolvimento cidadão, possibilitando que a sociedade se informe sobre prioridades da gestão pública e que possa refletir e agir em relação aos desafios da cidade, identificados pelo Movimento FTQB.


Evento teve significativa audiência de
representantes da sociedade e do poder público
Para a professora Paula Schommer, integrante do Observatório Floripa Cidadã e do grupo de pesquisa Politeia, o encontro foi "um passo importante para que o planejamento, a transparência, a prestação de contas, a gestão integrada e o diálogo governo-sociedade se tornem parte do cotidiano da gestão pública".

Segundo ela, apesar dos avanços, "o evento mostrou que há muito a aprimorar na definição das metas e no seu monitoramento, na forma como é realizada a prestação de contas, na integração do plano com os demais instrumentos de planejamento e gestão da prefeitura, e no engajamento mútuo entre governo e comunidade para o enfrentamento dos desafios da cidade".

Leia mais:

22/08/2014 - Udesc recebe encontro sobre o plano de metas da Prefeitura de Florianópolis na próxima quinta

27/09/2013 - Udesc participa de audiência pública sobre plano de metas da prefeitura de Florianópolis

19/06/2013 - Curso de Administração Pública da Udesc apresenta Observatório Floripa Cidadã ao prefeito da Capital

07/05/2013 - Udesc apoiará monitoramento de metas da Prefeitura de Florianópolis

Assessoria de Comunicação da Udesc Esag
Jornalista Gustavo Cabral Vaz
E-mail: gustavo.vaz@udesc.br
Telefone: (48) 3321-8281  

Reforma da Previdência e Accountability Democrática

Por Ana Beatriz Senna* Em contextos democráticos, o poder deve emanar do povo. Os governantes têm o dever de prestar contas de suas ações ...